Musica tradicional da ilha do Fogo-Cabo Verde

                    Talaia Baxu

Teodolindo Ledo Pontes, popularmente conhecido por Minó de Mámá, nasceu a 2 de Março de 1917; era natural da freguesia de S. Lourenço, concelho de S. Filipe, Fogo; Morava na localidade de Pedro Homem; Era casado e deixou 9 Filhos, (Infelizmente, para contrariar a tradição, nenhum dos filhos sabe tocar).

O pai, João Ledo Pontes, era músico e também tocava gaita; por influência do pai, Minó se transformou num exímio tocador deste instrumento. Nos registos, não consta o nome da mãe. Sabemos entretanto que era conhecida por “Miôda”; era cantadeira e normalmente acompanhava o marido nas festas.Foi num ambiente de festas que Minó aprendeu a tocar a gaita. Chegava mesmo a “roubar“ a gaita ao pai e tocava-a às escondidas. Com a morte do pai, Minó, ainda menino, acompanhava a mãe que continuara a cantar nas festas sempre que convidada.

Quanto aos registos da sua obra artística, Minó di Mámá gravou apenas um disco intitulado “Talaia Baxu ”, em Maio de 1999, através da Editora Sons d´África, com o Produtor Musical Quim Alves. Participou, entretanto noutras gravações de caracter não comercial, nomeadamente para o concurso – Rádio França Internacional;

Sempre solícito e pelo simples gosto de ouvir a sua gaita, permitia também que fosse gravado, em situações informais, pelos seus admiradores. Não se sabe ao certo o número de composições da sua autoria. Sabe-se, todavia que é ele o autor da música mais popular da ilha do Fogo – Minó di Mámá em que ele canta a si próprio dizendo: “Minó di Mámá, mundo krebu ki fari bu má”.

Das outras possíveis composições dele, não há registo magnético.

É considerado por muitos, um grande repentista; improvisava com alguma habilidade, ao sabor do ambiente. Umas vezes lançando piadas, outras vezes em jeito de remoques, mas sempre brincando. Eram frequentes em Minó, tiradas do tipo: “Pabi seku ka tâ sendê”, para significar pavio sem petróleo não acende (isto foi dito por Minò, num jantar oficial, para chamar a atenção dos organizadores que os músicos também bebiam…); “ai Merca, ai dóla, ai mámá” (cantando assim os emigrantes e demais presentes entendiam logo a mensagem e na presença de moças bonitas, alguns competiam entre si, depositando sempre mais dólares no bolso de Minó;); Em plena gravação do seu álbum em Dakar, porque na noite véspera havia comido chicharro grelhado e ficara indisposto, disse: “ Mané quel tchitcharro, Djonsa dja cumel ”, (isto no momento em que metia a sua voz na gravação da música que dá título ao álbum). Improvisações como estas que citamos surgiam, a todo o momento, sempre que Minó abria a boca para cantar, a ponto de nunca conseguir cantar uma mesma música, duas vezes com a mesma letra.

Pisou alguns palcos nacionais. Esteve em actuações na cidade da Praia por várias vezes a convite do Centro Cultural Francês, entidades oficiais e amigos; participou ao lado de Augusto Cego em 1994 no Festival de Baía das Gatas, na cidade do Mindelo; esteve presente em vários espectáculos organizados pela PBS e já esteve também noutras ilhas em tocatinas.

Fora do país, actuou em Dakar, aquando da gravação do seu primeiro CD; Por iniciativa do Centro Cultural Francês, fez uma digressão para Suíça e França. Esteve ainda nos Estados Unidos por três vezes, duas por iniciativa de amigos e uma para participar no Festival de Smithsonian em Washington DC.

Morreu a 2 de Maio de 2004, pelas 10:00 horas, da manhã, no Hospital Regional de S. Filipe, onde esteve internado, vítima dum ataque cardio vascular. No cortejo fúnebre participaram, praticamente, todos os músicos do concelho, diversas entidades públicas, representação governamental, familiares e amigos que ao invés de chorarem, entoaram solenemente, ao ritmo da gaita a sua música preferida, Talaia Baxu. 

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

ILHA DO FOGO – CABO VERDE

                                      BE N V I ND O!

           ASPECTO NATURAL E CULTURAL DA ILHA DO FOGO

Djarfogo, significa Ilha do Fogo, é uma das dez ilhas de Cabo Verde, e uma das mais belas. No principio foi chamado de São Filipe, mas depois veria apropriadamente a ser chamada ILHA do FOGO, um nome bem expressivo, dado em honra do imponente e representativo Vulcão, como o seu ex-libris e um dos simbolos mais notáveis de todo Cabo Verde.Mapa da ilha do Fogo A ilha do Fogo foi descoberta nos anos de 1460, no mesmo periodo que as ilhas de Santiago e Maio. De origem vulcanica e situada a Oeste de Santiago, tem forma circular, com uma área de 476 km2, e tem o ponto mais alto de todas as ilhas de Cabo Verde.
O vulcão da ilha do Fogo tem aprox 2829 metros, com uma caldeira de 8 kms de diametro em Chã das Caldeiras no lado ocidental, as paredes atingem 1000 metros, com uma cratera de 500 metros de diametro, e uma profundidade de 180 metros; é a quarta em dimensão relativa as outras ilhas.
No Globo terrestre tem as seguintes coordenadas: Latitude 15° 03′ N e 14° 48′ N Longitude 24° 16′ W e 24° 30′ W .
Djarfogo tem uma beleza expôntanea, espectacular, natural, e muito apreciada, mesmo contagiante, e enigmática, que contagia a maioria das gentes que por lá passam.
Actualmente tem uma população de quase 40 mil habitantes.

Esta ilha, desde o incio da sua descoberta pelos colinizadores portugueses, parece que sentiu na alma a mudança do equelibrium natural, continuando intermitentemente por largos anos, irradiando sua energia termo-nuclear, como se fosse querendo deixar sentir aos exploradores, a sua magestosa presença, para que deveriam comportar e estarem sujeito a essa incrivil força. Mas apezar dessa imponente potencia natural, os designios ou as perspectivas dos explordores, eram criar uma colonia, donde poderiam beneficiar e satisfazer seus premedidatos desejos. Dentro desse contexto, viria a aparecer uma etnia com uma cultura propria, originando assim os Foguenses.Gentes vendendo e comprando peixe A historia da ilha do Fogo, antes da sua emancipação reza que ela teve periodos contrastantes de algum progresso, e de terriveis calamidades naturais e de teor humana. Só para questao de informação, houve um terrivel ataque em 1665 a ilha, por alguns piratas Holandezes, que durante quatro dias, saquearam, maltrataram gentes, dessacrandos igrejas e casas, levando tudo que podiam encontrar que servia de algum valor, sem qualquer resistencia da indefesa população da ilha. Durante a historia de um povo, ou duma ilha ou um pais, a determinação de lutar para sobrivencia a despeito de inumeras e incriveis cisrcunstancias, deve ser o mobil principal para atingir a emancipação. Foi precisamente o que passou no caso da ilha do Fogo, e em todas as outras ilhas de Cabo Verde.Canhoes de guerra Voltando ou meditando no passado, vale a pena saber que em 1582, – segundo as letras do conceituado escritor Caboverdiano Germano Almeida, no seu livro CABO VERDE, VIAGEM PELA HISTÓRIA DAS ILHAS – ilha do Fogo tinha cerca de 2300 pessoas, das quais 300 eram homens livres e 2000 escravos, vivendo a vida praticamente numa economia feita exclusivamente no cultivo e plantação do algodão e videira cujo produtos eram enviados para San Tiago, e depois exportados e comercializados na Guine e Brazil. A vida dos Foguenses bem como as gentes doutras ilhas durante o periodo da colonização, nao foi nada fácil, para alem da falta da liberdade, houve periodos de grande sofrimentos que marcaram para sempre a história desse povo.

Uma caldeirada de festa Nos meados dos anos de 1773, uma outra terrivel fome pairou nessa ilha, provocada pela falta de chuva e do apoio do exterior, causando muitas perdas de vidas e grande sofrimento. Essa terrivel ocorrencia, foi ainda mais agravada pelo fácto da mal intenção do poder central, nesse caso o pais colonizador, de ter recusado um pedido de ajuda ou de benevolencia da parte dum capitao-mor que governava a ilha do Fogo para revocação da proibição do comercio livre dos panos de alta qualidade de fabrico local com o estrangeiro, mas esse pedido infelizmente foi recusado, provocando ainda mais sofrimento a população. Calcula-se que mais ou menos nesse periodo, cerca de mil pessoas perderam suas vidas.

A primeira grande fome que se tem memoria na ilha do Fogo, ocorreu em 1719, e depois veio o de 1759, nesse ano houve uma tremenda explosão do Vulcão do Fogo, que explodiu com tanta violencia irradiando areias nalgumas outras ilhas de Cabo Verde; por exemplo, atingiu Santiago onde danificou ou fez alguns estragos na pastagem e agricultura; essas chuvas de areia, eram como lagrimas a quererem dizer ou expressar o desespero que a ilha estava passando, provocado pelo abandono do poder central.

Durante a Segunda Grande Guerra em 1941-1942, outra catastrofe humana ocorreu nesta sagrada ilha, causando inumeras perdas de vidas e bens materiais. De acordo com o livro do escritor Germano Almeida, CABO VERDE, VIAGENS PELA HISTORIA DAS ILHAS, calcula-se que mais de 7500 pessoas, cerca de 31% da população perderam suas vidas.
Dentro desse medonho e deseperado tempo, alguns verdadeiros patriotas Foguenses / Caboverdianos, tais como, Abilio Macedo, Agnelo Henriques, administrador da ilha, seu irmao Antonio Henriques, e provavelmente alguns outros individuos, resolveram denunciar esses acontecimentos ou calamidades sociais ao Poder Central. Mas, em vez de receberem apoio na justa causa, foram presos, deportados e humilhados. Gentes na Festa Nho Sanfilipe

Uma rua na cidade de San Filipe
Gente festejando Bandeira de San Filipe

Felizmente ja nesse tempo muitas pessoas aproveitaram e decidiram emigrar para os USA donde poderiam contribuir e aliviar a catastrofica situação neinante na ilha.

Num periodo tal da sua historia, a ilha do Fogo experimentou algum desenvolvimento economico, com a introdução da industria de plantação de algodao, cafe, vinho etc que mais beneficiou infelizmente aos donos das terras ou latifundiarios, mantendo o desequelibrium e a desparidade social reinante na altura.

Djarfogo terra sabe, de beleza, de esperança, de harmonia de bom convivio entre a gente e a natureza esperando a continuar a caminhar para um caminho de progresso sustentado de igualdade e diversidade, onde cada comunidade, cada pessoa, sem padrinho tenha chance de participar de igual para igual, contribuindo assim para seu engradecimento e de toda as ilhas de Cabo Verde.

Na actualidade a ilha do Fogo esta administrativamente dividida em tres concelhos: Sao Filipe, Mosteiros e Santa Catarina, sendo esse ultimo o mais novo. A Cidade de São Filipe serviu se por muitos anos como centro administrativo da ilha; é uma cidade historica e bem estruturada, crescendo a um bom ritmo socialmente e economicamente. É nesta cidade e vizinhança que ficam os famosos e falados sobrados de entao e da actualidade, so que agora, estão a serem habitados com mais pluridade social e condignamente expostas aos Foguenses e não só, mas mesmo assim estão cada vez mais representando o passado, presente e futuro desta cidade.

Na cidade de São Filipe todos os anos no primeiro dia de Maio, celebra-se, a grande festa de Nho San Filipe que atrai grande publico, nacional e da diaspora, durante uma semana ou mais,a ilha do Fogo, é o centro de atenção de Cabo Verde.

Depois da independencia nacional, foi criado na ilha do Fogo o Concelho dos Mosteiros, com a sua propria diversidade e identidade, onde se produz o famoso cafe do Fogo, uma das melhores do mundo, saboreado e comentado por todos Caboverdianos e não só Estudios de Mosteiros FM Radio

É nos Mosteiros que fica os escritorios ou redacção da radio Mosteiros FM, propriedade do empresario John Monteiro, essa Emissora é a voz da Ilha, irradiando e informando a toda comunidade, às ilhas irmas e servindo dum elo especial de ligação a todos os Caboverdianos do mundo atravez da internete.

Por fim, ascendendo cada vez mais a ilha do Fogo, tem mais um concelho, o de Santa Catarina, criado recentemente numa freguesia historica na ilha do Fogo e de Cabo Verde.
A sede do concelho é Cova Figueira, situado a curta distancia do imponente vulcao do Fogo que tem uma visão deslunbrante de um panorama que faz lembrar como que outras regioes do Sistema Solar. Esta Freguesia ou Concelho, tem potencialidade natural e humana de contribuir muito mais para toda ilha do Fogo e Cabo Verde. É nesse lado que fica Chã das Caldeiras onde se produz o pituresco e famoso Vinho do Fogo.

Vista parcial de Cova Figueira, do lado Ponta Estrada Essa famosa comunidade ou Freguesia, é constantemente visitada por muitos nacionais e estrangeiros, incluindo alguns presidentes do paiz colonizador, e estrangeiros, mas mesmo assim, ela nao conseguiu ainda chegar a pagina do desenvolvimento desejado. Cabe a todos os Santacatarinenses conjugar esforços para que ela arranca para um caminho mais acelerado de progresso, e lembrando a todos que essa comunidade produziu filhos dignos de serem mencionados, como por exemplo Alexandre Vieira Fontes, ¡°Chache¡± que tudo fez, e ate mesmo arriscando a vida, para que um dia, haja justica e desenvolvimento para que o sonho dos Santacatrinenses seja uma realidade.

Festa Nho San Filipe. Fotos, Manuel Costa
A foto reperesanta a alegria das gente nesse grande dia de festa, os homens rapicando ou tocando tabor, com as alegres distintas coladeiras e o publico envolvido num clima de contentamento preparando para a cerimonia de apanhar argorinha, tem que ter muita habilidade e destreza para acertar no alvo certo, e quem acertar praticamente, é o heroi do dia ou da festa.

Festa Nho San Filipe. Fotos, Manuel Costa
Festa Nho San Filipe. Fotos, Manuel Costa
Festa Nho San Filipe. Fotos, Manuel Costa
Festa Nho San Filipe. Fotos, Manuel Costa
Festa Nho San Filipe. Fotos do Vulcao do Fogo
Festa Nho San Filipe. Foto do velho e inadequado Posto Sanitario em Cova Figueira
Mulheres mostrando mandiocasA foto mostar duas senhorars, mostrando o produto da terra, ou mandioca, das melhores existentes na ilha. Chã das Caldeiras, na freguesia de Santa Catarina, um lugar naturalmente priveligiado, e a mais fertil ou das mais ferteis de Cabo Verde, fica situado praticamente em cima do vulcão. Tem um terreno apropriado para diferente culturas que produzem frutas e hortalicas, entre as quais uvas, macas, marmelos, melancias, romas, figos, fogafogas. etc Tem um clima propicia e com temperatura variada, que as vezes pode atingir o ponto de congelamento.
As gentes de Chã das Calderas, são amaveis e comunitarias e com espirito empresarial.
Tudo leva a crer, que essa regiao do concelho de Santa Catarina, podera vir a ser muito mais catalistico no desenvolvimento deste concelho, explorando sua potencialidade turistica e o seu rico terreno.
Belezas de Djarfogo, fotos John MonteiroEssa foto, mostra belas jovens Foguenses celebrando a juventude no concelho dos Mosteiros, essa regiao fica a escassos vinte e tal minutos, mais ou menos da freguesia de Santa Catarina, um lugar lindo e com algum progresso, graças aos Mosteirenses dos Mosteiros e da diaspora,e em parte do governo.
Essa localidade tambem tem muito potencial para desenvolvimento em muitas areas.
Como essa foto denota, há esperança entre a juventude. Os jovens tem de ser apoiados a atingir o maximo das suas possibilidades, so assim a sociedade podera beneficiar e progredir, para isso há que ter sentido de responsabilidade e evitar o maximo o contagiamento das substancias nocivas e outros contagiamentos negativos da sociedade.
Gentes festejando nos Mosteiros, ilha do Fogo - fotos John MonteiroA imagem mostra gentes de todas as idades, celebrando com alegria e diversidade numa das ruas nos Mosteiros ilha do Fogo. As festas na ilha do Fogo, sao como uma tradição celebrando o passado, o presente e o futuro, um futuro, que todos os Caboverdianos aspira para que seja de prosperidades e paz. As tres grandes festas na Ilha do Fogo sao, Nho San Filipe, na cidade San Filipe, Nha Santa Catarina, no Concelho do mesmo nome, e Nossa Senhora de Ajuda nos Mosteiros, mas ha outras festas ou festvidades noutras loclidades que sao celebradas com a mesma morabeza tradicional dos Foguenses .
Esta foto foi tirada por um satelite artificial mostrando toda a ilha do VulcãoCom a technologia moderna, podemos apreciar muito mais a nossa situação geografica e o espço que ocupamos, nessa foto, tirada por um satelite artificial, contempla se toda a Ilha do Fogo, e pode se ver que verdadeiramente esta bonita e historica ilha, fica mesmo num vulcão, que a natureza ja tem quase domado, dando aos Foguenses e visitantes mais tranquilidade, sem contudo descuidar e auscultar o pulso ou a temperatura desse potente gigante.
Foto do Centro de saude de Cova Figueira, com instalações precarias e inacessiveis. Cova Figueira na freguesia de Santa Catarina, uma povoação popular, assim canta Antonio Neco, numa musica coladeira, expressando a pluralidade da cultura, do convivio e de morabeza das gentes dessa regiao, uma localidade essencial para o desenvolvimento da Ilha, mas que nao tem tido ainda um desenvolvimento saudavel, de acordo com a sua potencialidade.
Cabe a todos Santacatarinenses e o governo, incentivar mais, e esquecendo as diferenças e conjugar forças e recursos para ajudar a criar estruturas ou infraestruturas, para que esse novel Concelho, ocupa o seu verdadeiro lugar no desenvolvimento da Ilha do Fogo e de Cabo Verde. De San Filipe, vai se ao Concelho de Santa Catarina, foi aqui que tudo deve ter começado, dando origem a ilha do Fogo, como se ve nesta espectacular foto do Vulcão do Fogo, o simblo mais alto de todo Cabo Verde, é la que fica a famosa sede do concelho ou seja Cova Figueira, que fica a dois passos de Chã das Caldeiras, onde se produz o famoso vinho, dantes chamado Manecom e agora com nome de Vinho do Fogo.
Quem passa por Cova Figueira, deve presenciar e desfrutar da extraordinaria visao la pelo lado do Espigão, onde a visão é mesmo espectacular e deslumbrante, por um lado ve-se o Atlantico, e grande parte da sua extensao, donde vem um ar extremamente puro, e por outro lado, uma outra vista quase cosmica com o vulcao a frente, montes, rochas, ribeiras, vegetações assim presenciando um panorama extremamente raro, onde o homem e a natureza se combina livremente. Nesses dias de festas de Nho San Filipe na Ilha do Fogo, nao se deve fazer ou pensar em politica, todos devem ser irmanados no objectivo de passar sabe, nao importa de que corrente politica seja, a maioria das gentes esquecem por um tempo as crenças religiosas ou tendencias politicas, mas contudo sem descuidando, concerteza, de deixar amostra de bom civismo, respeitando mutuamente as diversidades, tolerancias e senso comum.
A foto mostra uma praça em San Filipe na ilha do Fogo, esse lugar de lazer, serve para as pessoas irem conviver, descansar, meditar, ou passar tempo, o clima ameno e um ar nao poluido fresco vindo do mar, muito saudavel, sao elementos essenciais para diminuir o stress para tranquilidade de quem necessita.
San Filipe é uma das mais belas e historicas cidades de Cabo Verde, uma cidade fresca e limpa com gentes amaveis, e apostada cada vez mais para o lado do progresso.
Numa festa de bandeira, a comida nao se pode faltar. Havera pratos tradicionais, preparados por cozinheiro/as de nome, milho no pilon pronto para ir a panela, para fazer a famosa cachupa, ou xeren com manteiga, batatas e mandioca, carnes de diversas qualidades, o cheiro de comidas saindo das panelas, irresistivel para qualquer paladar ou vontade, e sem esquecer o famoso vinho, grogue ou ponche, elevando o coração ou espirito das gentes, e fazendo com que o desejo de voltar seja garantido.
Outra imagem mostrando a alegria e a morabeza das gentes de Djarfogo, nessa amostra, tem gentes de diversas etnias mezclando num ambiente tradicional e de convivio, nao importa o credo religioso…, todos tem como objectivo passar sabe, esquecer um pouco dos problemas do dia a dia.
Crianças, jovens, gentes de meia idade, gentes de mais idade, participam nesse ambiente propicio e sadio, celebrando a cultura, tem musica alegre, mulheres com cestos ou balaios coloridos na cabeca, dançando e cantando; homens com bandeiras, tambores, barquinhos alegoricos, cavalos premiados; raparigas e rapazes fazendo conquistas, divirtindo, fazendo promessas de um encontro breve, enfim a festa continua ate que a gente cansa e descansa.

A seguir pode se ver algumas imagens dessa encantada ilha chamada Djarfogo.
Festa Nho San Filipe. Fotos, Manuel Costa
Nessa foto, ve se cavaleiros, e cavalos, gentes, celebrando o culminar das festas de Nho San Filipe.
Durante as festas, há as tradicionais corridas de cavalo, que atrai grande publico, tanto nacionais e gentes da dispora. O cavaleiro e cavalo premiados receberão uma taç&a e um premio alto em dinheiro, e alem de ficar com a fama de ganhar o primeiro lugar que pode dar mais reputação tando nacional, como internacional. Havera premios de segundo e terceiros classificados, e para os nao classificados, há a esperanca de que no proximo ano, as coisas poderao ser ou ficar doutra maneira 

 
 

 

 

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Hello

Este blog vai servir para eu descrever, de uma forma simples, a ilha do Fogo em Cabo Verde, com o conjunto de textos e imagens. Vou tentar ser ùtil, dando dicas a todos aqueles que pensem um dia visitá-la. Garanto-vos que vale a pena fazè-lo.

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário